domingo, 13 de dezembro de 2009

Book@Platina#2

Título: Memória das Minhas Putas Tristes, Gabriel García Márquez.
Sinopse: "Memória das Minhas Putas Tristes" conta a história de um velho jornalista de noventa anos que deseja festejar a sua longa existência de prostitutas, livros e crónicas com uma noite de amor com uma jovem virgem. Inspirado no romance "A Casa das Belas Adormecidas" do Nobel japonês Yasunari Kawabata, o consagrado escritor colombiano submerge-nos, num texto pleno de metáforas, nos amores e desamores de um solitário e sonhador ancião que nunca se deitou com uma mulher sem lhe pagar e nunca imaginou que encontraria assim o verdadeiro amor. Rosa Cabarcas, a dona de um prostíbulo, conduzi-lo-á à adolescente com quem aprenderá que para o amor não há tempo nem idade e que um velho pode morrer de amor em vez de velhice. A escrita incomparável de Gabriel García Márquez num romance que é ao mesmo tempo uma reflexão sobre a velhice e a celebração das alegrias da paixão. (in, Wook).

Um solitário jornalista, prestes a completar 90 anos, resolve experimentar o prazer do sexo com amor nos braços de uma jovem virgem. Com ajuda de Rosa Cabarcas, o velho jornalista conhece aquela que viria a ser Delganina, apaixona-se, vive momentos de paixão e sofrimento e descobre os verdadeiros prazeres da vida.

Gabriel García Márquez é um escritor que adoro ler e de quem já li outros três livros (O Amor nos Tempos de Cólera, Cem anos de Solidão e Crónica de uma Morte Anunciada). A cada novo livro, ele consegue surpreender-me com as suas histórias e personagens.
Pode-se encontrar neste livro as principais características do colombiano: personagens com nomes esquisitos e difíceis de memorizar, palavras complicadas e pouco usadas, tensão sexual recorrendo ao uso de palavrões, lições de vida, pensamentos, etc.
Para quem gosta deste tipo de leitura, é sem dúvida um livro a considerar.

Desde então comecei a medir a vida não pelos anos, mas pelas décadas. A dos cinquenta havia sido decisiva porque tomei consciência de que quase todo mundo era mais moço que eu. A dos sessenta foi a mais intensa pela suspeita de que já não me sobrava tempo para me enganar. A dos setenta foi temível por uma certa possibilidade de que fosse a última. Ainda assim, quando despertei vivo na primeira manhã de meus noventa anos na cama feliz de Delganina, me atravessou uma ideia complacente de que a vida não fosse algo que corre como o rio revolto de Heráclito, mas uma ocasião única de dar a volta na grelha e continuar assando-se do outro lado por noventa anos a mais.
Amor. Velhice. Romance. Prazer. Juventude. Vivência. Sofrimento.

2 Comentário(s):

patxocas 9:30 da tarde, dezembro 13, 2009  

É um livro fantástico, não é?
;)
Também gostei imenso desse.
Dele gosto de quase tudo! Mas, o que mais me marcou até hoje continua a ser "Amor em tempos de cólera"

Mary 10:13 da tarde, dezembro 13, 2009  

Patxocas, Amor em tempos de Cólera é um dos meus livros favoritos.
:-)

  © Blogger template 'Morning Drink' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP