quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Book@Fevereiro

Título: Cem anos de Solidão, de Gabriel García Márquez
Sinopse: "Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía haveria de recordar aquela tarde remota em que o pai o levou a conhecer o gelo."
Com estas palavras - tão célebres já como as palavras iniciais do Dom Quixote ou de À Procura do Tempo Perdido - começam estes Cem Anos de Solidão, obra-prima da literatura comtemporânea, traduzida em todas as línguas do mundo, que consagrou definitivamente Gabriel García Márquez como um dos maiores escritores do nosso tempo.
A fabulosa aventura da família Buendía-Iguarán com os seus milagres, fantasias, obsessões, tragédias, incestos, adultérios, rebeldias, descobertas e condenações são a representação ao mesmo tempo do mito e da história, da tragédia e do amor do mundo inteiro. (in, Wook)

Considerações gerais: a escrita de Gabriel García Márquez é complicada e está replecta de palavras novas e "difíceis". O nome dos personagens são esquisitos e, neste livro em particular, quase sempre iguais - pais, filhos e netos partilham, com pequenas vriações, o mesmo nome, ao longo de uma geração.
O seguinte trecho ficou.me na cabeça e, cada vez que olho para um post-it, imagino a lembro-me da vaca e esboço um sorriso.
(...) com um pincel cheio de tinta, marcou cada coisa com o seu nome: mesa, cadeira, relógio, porta, parede, cama, panela. Foi ao curral e marcou os animais e as plantas: vaca, cabrito, porco, galinha, aipim, taioba, bananeira. Pouco a pouco, estudando as infinitas possibilidades do esquecimento, percebeu que podia chegar um dia em que se reconhecessem as coisas pelas suas inscrições, mas não se recordasse a sua utilidade. Então foi mais explícito. O letreiro que pendurou no cachaço da vaca era uma amostra exemplar da forma pela qual os habitantes de Macondo estavam dispostos a lutar contra o esquecimento: Esta é a vaca, tem-se que ordenhá-la todas as manhãs para que produza o leite e o leite é preciso ferver para misturá-lo com o café e fazer café com leite (...)
Fiquei com uma enorme ansiosa de ler Crónica de uma Morte Anunciada (livro de Junho).

Book@Março: fã da série Sex and the City, quando agarrei o livro pela primeira vez, tive logo curiosidade de lê-lo. Fascina-me conhecer outras vivências e, como mulher, agrada-me conhecer outras histórias de outras mulheres que vivem em mundos completamente diferentes do meu.

4 Comentário(s):

Canochinha 11:32 da tarde, fevereiro 12, 2009  

Estás a ir a bom ritmo! :)
O "Cem Anos de Solidão" tem sido invariavelmente deixado para trás nas minhas leituras, mas mais cedo ou mais tarde hei de lhe pegar...

Cristina 3:23 da tarde, fevereiro 13, 2009  

Muito bem, até agora, 2/2, como te havias proposto. Não sei porquê, talvez por essa leitura difícil e complexa, o GGM tem sido sempre deixado para trás. É uma vergonha lol

The Star 2:49 da tarde, fevereiro 14, 2009  

Ainda só li 1 livro do GGM, O Amor em Tempos de Cólera. Devo dizer que esperava mais desse livro. A história é muito bonita, mas talvez pela leitura complexa, torna-se um pouco enfadonho.
Admiro a velocidade com que conseguiste ler este livro, eu demorei meses.
Hoje vou terminar o livro que ando a ler (ando eu a ler e anda mais meio mundo!).

carl@ 12:25 da manhã, março 30, 2009  

"Cem anos de solidão" o meu primeiro grande livro de GGM. Adorei ler

  © Blogger template 'Morning Drink' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP